Estratégias didático-metodológicas para a adesão das jovens meninas aos esportes coletivos no Ensino Médio

Nome: Iris Batista da Luz RosaTipo: Dissertação de mestrado profissionalData de publicação: 09/06/2020Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Mariana Zuaneti Martins Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Erineusa Maria da Silva Examinador Interno
Ileana Wenetz Examinador Externo
Mariana Zuaneti Martins Orientador

Resumo: O objetivo desta pesquisa foi descrever e analisar as estratégias didático-metodológicas adotadas pelos(as) professores(as) de Educação Física que atuam no processo de mobilização de meninas nas práticas dos esportes coletivos no Ensino Médio. Os processos históricos e culturais relacionados aos marcadores de gênero e às práticas esportivas impactam na Educação Física e devem ser analisados e discutidos visando à sensibilização. Esses fatores repercutem nas aulas de Educação Física e merecem a atenção dos(as) professores(as), com o propósito de promover a equidade nas aulas de Eduação Física. Esta pesquisa foi desenvolvida em duas etapas. A primeira destinou-se às entrevistas semiestruturadas com 16 professores(as) que atuavam no Ensino Médio na Rede Estadual de Ensino da cidade de Vitória, Espírito Santo. A segunda etapa foi dedicada à produção de portfólio com propostas didático-metodológicas organizadas com base nas narrativas obtidas por meio de entrevistas, que em algumas ocasiões foram adaptadas e/ou complementadas, além de sugestões de artigos, filmes, documentários e experiências profissionais pessoais, com o intuito de inspirar os(as) professores(as) da área a superarem possíveis adversidades relacionadas à efetiva participação de jovens meninas na prática dos esportes coletivos nas aulas de Educação Física no Ensino Médio. Nesse processo, tendo como base as análises das entrevistas, identificamos a influência de dois perfis de professores(as) predominantes, os quais vinculamos às subáreas sociocultural e biodinâmica, havendo também os (as) professores (as) que oscilaram entre as duas vertentes, classificados como de convicções intermediárias. Essas subáreas relacionavam-se com as concepções de Educação Física que estavam associadas às de gênero. Os(as) professores(as) mais influenciados pelas perspectivas das ciências naturais caracterizamos como “vinculados(as) à subárea biodinâmica”, e os(as) professores(as) influenciados(as) pelos conhecimentos advindos das ciências humanas caracterizamos como vinculados(as) à subárea sociocultural. Entre os(as) professores(as) da biodinâmica, deparamo-nos de forma mais generalista com ideias que caracterizavam os meninos como mais fortes e habilidosos. Em contrapartida, os(as) professores(as) vinculados(as) à subárea sociocultural consideravam a influência do contexto cultural nas diferenças entre meninos e meninas, partindo do entendimento de que meninas geralmente têm menos oportunidades de desenvolver as práticas esportivas na escola que meninos, bem como percebiam a repercussão desse fato na adesão às aulas. Com base nas características de cada concepção de Educação Física, notamos que tanto a percepção dos(as) professores(as) quanto as estratégias em prol da equidade se diferenciavam, de modo que os(as) professores(as) vinculados(as) à subárea sociocultural demonstraram mais iniciativas voltadas às estratégias de adesão das jovens meninas em comparação aos(às) professores(as) vinculados(as) à subárea biodinâmica.

Palavras-chave: Educação Física. Meninas. Esportes coletivos. Gênero.Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910