EFEITO DA INGESTÃO DE CAFEÍNA SOBRE A TOMADA DE DECISÃO E RESPOSTAS COGNITIVAS DE JOGADORES DE FUTEBOL EM CONDIÇÕES DE FADIGA

Resumo: O jogo de futebol e a sua complexidade compreende, basicamente, atividades tático-técnicas, em que a tomada de decisão ganha relevância fundamental para o sucesso na modalidade. Tanto no jogo como no treino são geradas cargas externas em que os jogadores respondem de forma a superar os desafios encarados no jogo. Estas cargas tendem a perturbar os padrões decisórios dos jogadores influenciando os princípios táticos desempenhados e desenvolvidos em intencionalidade. Associado a isso, decorrente ao insubstituível processo de preparação específica dos jogadores, as situações de elevada intensidade no jogo de futebol tendem a conduzir os jogadores à situações de altos níveis de fadiga, perturbando, de forma direta, a sua capacidade decisional e o padrão tático desempenhado. Estratégias vem sendo utilizadas na tentativa de atenuar os efeitos deletérios de níveis elevados de fadiga. Nesse sentido, os auxílios ergogênicos nutricionais recebem destaque por sua grande utilização. Dentre os mais utilizados, encontra-se a cafeína. Os efeitos da ingestão aguda de cafeína sobre a função cognitiva e a capacidade de tomada de decisão durante o jogo de futebol é, entretanto, pouco compreendida. Neste sentido, o objetivo do presente estudo será investigar os efeitos da ingestão aguda de cafeína por atletas de futebol de campo sobre o déficit cognitivo e capacidade de tomada de decisões em condições de fadiga. Para tanto, atletas profissionais de futebol de campo serão submetidos a 3 experimentos distintos, avaliando os efeitos da cafeína sobre: 1) a atenção seletiva (utilizando o teste de Stroop) antes e após a realização do Yo-Yo Intermittent Test; 2) a atenção seletiva (teste de Stroop) antes e após a realização de jogos reduzidos de futebol; e 3) capacidade de tomada de decisão (utilizando o programa FUTSAT) durante a realização de jogos reduzidos de futebol. Em cada experimento, os atletas serão submetidos a 3 dias de testes, sendo o primeiro para familiarização ao protocolo experimental. Na sequência, de forma randomizada, com delineamento cruzado e controle duplo-cego, realizarão os protocolos sob duas condições: 1) 60 minutos após a ingestão de solução contendo cafeína (5 mg/kg de peso corporal); e 2) 60 minutos após a ingestão de solução placebo.

Data de início: 2018-05-01
Prazo (meses): 48

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Rodrigo Freire de Almeida
Coordenador Lucas Guimarães Ferreira
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910