EFEITOS DAS PRÁTICAS CORPORAIS DESENVOLVIDAS PELO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO NA SAÚDE CARDIOVASCULAR E NA QUALIDADE DE VIDA DE ADULTOS EM PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

Resumo: O aumento da expectativa de vida da população é um processo que se manifesta em diversos países do mundo inclusive o Brasil. A partir dos 40 anos de idade os principais sistemas biológicos começam a apresentar modificações, consideradas como alterações fisiológicas, decorrentes do processo do envelhecimento, com repercussão nos sistemas cardiovascular, que refletem no aumento da pressão arterial sistêmica e um declínio linear do volume máximo de oxigênio consumido (VO2máx), a atividade física promove benefícios para os diversos sistemas e pode refletir positivamente na qualidade de vida. Neste contexto, destaca-se a importância de estudos que mostrem o quanto os programas de exercício oferecidos pelos órgãos públicos, influenciam no processo do envelhecimento fisiológico e na qualidade de vida, sendo este um conhecimento importante, tanto para os profissionais de saúde quanto para as políticas públicas. Este trabalho terá como objetivo, estudar parâmetros fisiológicos ligados a saúde cardiovascular (aptidão cardiorrespiratória, pressão arterial, nível de atividade física) e a qualidade de vida de adultos em processo de envelhecimento vinculados as práticas corporais do Serviço de Orientação ao Exercício (SOE). Trata-se de um estudo transversal e descritivo, de natureza aplicada, com abordagem quantitativa, e procedimentos técnicos quase experimentais, que será realizado no Laboratório de Fisiologia do Exercício (LAFEX/CEFD/UFES) localizado no campus de Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), serão coletados dados de indivíduos de ambos os sexos com idade igual ou superior a 40 anos que realizam as atividades do SOE, que já participam do programa SOE, há pelo menos 6 meses, e indivíduos não praticantes de atividade física, e/ou que iniciaram as atividades no SOE no máximo há 15 dias. Serão excluídos os que apresentarem distúrbios ortopédicos e também o teste cardiopulmonar, deficit cognitivo, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), complicações cardiorrespiratórias nos três meses prévios a avaliação. O perfil dos participantes será realizado por meio de uma ficha contendo informações sociodemográficas (idade, sexo, raça, tabagismo, etc.), será realizado a antropometria para o cálculo do IMC, para cálculo de percentual de gordura corporal e massa corporal magra será utilizado um compasso científico Mitutovo, o teste cardiopulmonar será utilizado para verificar o oxigênio máximo consumido, avaliação das variações da pressão arterial será realizada com o monitor Finometer de forma não invasiva, avaliação do perfil bioquímico das variáveis; glicemia de jejum (GJ), CT, TG, LDL e HDL, Lactacidemia, o questionário IPAQ e o questionário WHOQOL-8 serão aplicados para avaliar o nível de atividade física e a qualidade de vida, respectivamente. Variáveis contínuas com distribuição normal serão descritas com média e desvio padrão para; as variáveis ordinais ou assimétricas com mediana, mínimo e máximo; e variáveis nominais com frequência e porcentagem. Será utilizada a correlação de Pearson (para os dados que apresentarem distribuição normal) ou Spearman (para os dados que não apresentarem distribuição normal) e para comparar as médias do grupo adepto e não adepto será utilizado o teste t Student não pareado. Será considerado um nível de significância de 5%.

Data de início: 2017-09-02
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Luciana Carletti
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910