Avaliação de parâmetros fisiológicos, do treinamento físico e de qualidade de vida de atletas de rúgbi e basquete em cadeira de rodas: o tipo de esporte pode influenciar nesse contexto?

Resumo: Com a crescente participação da população (incluindo pessoas com necessidades especiais) em atividades esportivas, a necessidade de uma equipe multiprofissional de saúde é imprescindível. Além disso, o desempenho de elite para o esporte adaptado melhorou consideravelmente nas últimas décadas e ganhar ou perder competições entre atletas Paraolímpicos é muitas vezes uma questão de detalhes. Isso demonstra a necessidade de aperfeiçoar as intervenções de treinamento, avaliação e equipamentos para estes atletas, a fim de aprimorar o desempenho esportivo. No entanto, estudos que de atletas com necessidades especiais no Brasil ainda são escassos.
Nesse sentido, a presença do Profissional da Saúde é relevante, pois este é responsável pelo estabelecimento de medidas e cuidados relacionados à saúde e qualidade de vida de diferentes populações. No Brasil, após 2016, os Profissionais da Saúde tiveram a abertura de um campo de trabalho ímpar na área esportiva, graças à realização, no Brasil (Rio de Janeiro), de um dos maiores eventos do esporte mundial: os jogos Paraolímpicos de verão (2016). Nesse cenário, a participação de sujeitos com diferentes tipos de incapacidade e lesões no paradesporto e esportes paraolímpicos têm aumento e gerado novas demandas e necessidade de conhecimentos específicos por parte dos Profissionais da saúde. Por exemplo, nos Jogos Paraolímpicos de Londres (2012) mais de 4.000 atletas participaram. É preciso destacar que poucos eventos esportivos tiveram essa rápida evolução do ponto de vista da participação e com relação à diversidade de modalidades esportivas. Este rápido ritmo da mudança também significa desafios para os Profissionais da Saúde na compreensão de diferentes aspectos como, por exemplo, risco de lesão, técnicas de treinamento e reabilitação, biomecânica dos diferentes esportes, tipos de lesão, classificação funcional dos participantes, estado psicológico, evolução dos equipamentos adaptados (próteses), vertiginosa produção científica em fisiologia do exercício aplicada à clínica e ao esporte adaptado e etc.

Data de início: 2017-05-16
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Rodrigo Luiz Vancini
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910