ANÁLISE DO DESEMPENHO E DA INFLUÊNCIA DO TORQUE ARTICULAR DE MEMBROS INFERIORES NO CONTROLE POSTURAL EM IDOSOS PARTICIPANTES DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO (SOE)

Resumo: O envelhecimento populacional tem provocado alterações no perfil epidemiológico e das necessidades sanitárias, de forma que as quedas em idosos tem representado um problema de saúde pública. O declínio no controle postural e na função muscular provocados pelo envelhecimento são um dos fatores de risco modificáveis mais importantes para a prevenção de quedas em idosos e possíveis de serem modificados por meio de exercícios físicos. Neste sentido, destaca-se a importância de programas de promoção da saúde e da atividade física no Sistema Único de Saúde (SUS), tais como o Programa Academia da Saúde e o Serviço de Orientação ao Exercício (SOE). Apesar de longo período de funcionamento, existem poucas evidências sobre os benefícios e impacto do SOE sobre a saúde da população idosa de Vitória/ES. Este trabalho será subdividido em dois estudos e terá como objetivo analisar o desempenho e a influência do torque articular de membros inferiores no controle postural em idosos participantes do SOE. O estudo 1 terá como objetivo: comparar o torque articular de membros inferiores, controle postural e a qualidade de vida de idosos participantes do SOE com idosos sedentários; avaliar a influência do nível de atividade física e do tipo de modalidade de exercício sobre o torque articular e o controle postural de idosos e o estudo 02: analisar a influência dos parâmetros de torque articular de quadril, joelho e tornozelo no desempenho do controle postural. No estudo 01 participarão 30 idosos comunitários e independentes, com idade entre 60 e 75 anos, distribuídos em dois grupos: 1) Grupo SOE, 15 idosos ativos participantes das atividades no SOE; 2) Grupo Sedentário: 15 idosos que não realizam exercício físico há pelo menos três meses. No Estudo 2 participarão os idosos do estudo 1 e um grupo de 15 adultos jovens com idade entre 18 e 35 anos (Grupo Controle). Os critérios de exclusão adotados serão: doenças neurológicas, vestibulares e musculoesqueléticas que impeçam de realizar as tarefas motoras, neoplasias, graves alterações visuais, déficit cognitivo, perda da sensibilidade cutânea plantar, obesidade e uso de órteses ou próteses com ação no equilíbrio postural. O Questionário de Baecke será aplicado para verificar o nível de atividade física, o Miniexame do Estado Mental para avaliar a função cognitiva, o Questionário SF-36 para avaliar a qualidade de vida e a escala clínica do MiniBEST para avaliação do equilíbrio estático e dinâmico. Além disso, será realizada a avaliação do equilíbrio postural na postura ereta e quieta sobre uma plataforma de força em 04 diferentes condições (bipedal stance em superfície estável, bipedal stance superfície instável, semitandem em superfície rígida e semitandem em superfície instável), sendo todas realizadas com olhos abertos e fechados. Para avaliação do torque articular de membros inferiores (quadril, joelho e tornozelo) será utilizado um dinamômetro isocinético. As variáveis dependentes utilizadas para avaliação do equilíbrio postural serão: a amplitude de deslocamento do centro de pressão (CP) nas direções ântero-posterior (AP) e médio-lateral (ML), velocidade média de deslocamento do CP nas direções ântero-posterior (AP) e médio-lateral (ML) e área elíptica do deslocamento do CP e para avaliação do torque: pico de torque, taxa de produção de torque e potência média. A fim de verificar possíveis diferenças entre os grupos e as condições experimentais, testes de variância e regressão serão utilizados com um nível de significância de α ≤ 0,05.

Data de início: 2017-05-08
Prazo (meses): 60

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Natalia Madalena Rinaldi
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910