INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO NA EXPRESSÃO PROTEICA DO TRÂNSITO DE CÁLCIO NO MIOCÁRDIO DE RATOS RESISTENTES À OBESIDADE

Resumo: Poucos estudos tem avaliado a função cardíaca em modelos de resistência á obesidade. Além disso, os mecanismos envolvidos no transiente de cálcio na disfunção cardíaca em modelos de ratos resistentes à obesidade ainda não são bem determinados. O presente estudo foi designado para o teste da hipótese que a resistência à obesidade promove disfunção miocardica e este dano é observado no trânsito de Ca+2extra celular. Porém, algumas ferramentas têm sido utilizadas como fatores de intervenção tanto para prevenção quanto de tratamento de doenças cardíacas, dentre estas, destaca-se o exercício físico como interferente não farmacológico. No presente estudo foram utilizados 80 ratos Wistar machos, com 30 dias de idade, e submetidos a protocolo de indução e exposição à obesidade perdurou 20 semanas consecutivas, sendo 5 semanas de indução e 15 semanas de exposição à obesidade. Inicialmente, os ratos foram randomizados em dois grupos: a) controle: alimentados com dieta normocalórica (C, n= 40) e b) obeso: alimentados com dieta hiperlipídica insaturada (Ob, n= 40).Após o processo de composição dos grupos, os animais foram redistribuídos em mais quatro grupos quanto à ausência ou presença do treinamento físico. Sendo assim, na segunda etapa do protocolo experimental, esse estudo foi composto por quatro grupos: controle (C; n=12), controle submetido ao protocolo de treinamento físico (CEx; n=14), resistente à obesidade (ROb; n=9) e resistente à obesidade submetido ao protocolo de treinamento físico (RObEx; n=10).Foram analisados: peso corporal final (PCF), porcentagem de gordura da carcaça (% GC), pressão arterial sistólica final(PA), peso dos ventrículos esquerdo (VE) e direito (VD) e as relações VE/PCF e VD/PCF. O perfil glicêmico foi estimado pelo teste de tolerância à glicose (GTT) e os níveis plasmáticos de insulina e leptina avaliados por ELISA. A expressão gênica das proteínas envolvidas no trânsito de cálcio foi analisada por RT-PCR. Os dados foram expressos em média ± desvio padrão e submetidos ao teste t-Student, com nível de significância de 5%.

Data de início: 2015-02-10
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papel Nomeordem decrescente
Coordenador Ana Paula Lima Leopoldo
Vice-Coordenador André Soares Leopoldo
Aluno Mestrado Jóctan Pimentel Cordeiro
Aluno Mestrado Vítor Loureiro da Silva
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910