ACADEMIA POPULAR DA PESSOA IDOSA (APPI): USOS E APROPRIAÇÕES DOS FREQUENTADORES DO MÓDULO DA PRAIA DE CAMBURI EM VITÓRIA-ES

Nome: Vinnicius Camargo de Souza Laurindo
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 29/05/2014
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Ivan Marcelo Gomes Orientador
Felipe Quintão de Almeida Co-orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Ivan Marcelo Gomes Orientador
Felipe Quintão de Almeida Coorientador
Cláudia Miranda Souza Examinador Externo
Carlos Nazareno Ferreira Borges Examinador Interno

Resumo: A propagação do fenômeno envelhecimento e de suas questões tomou ímpeto nas últimas décadas tornando as conquistas da população idosa um dos grandes avanços obtidos pela sociedade nesse período. Esta pesquisa tem como objetivo analisar os usos e apropriações do espaço da Academia Popular da Pessoa Idosa (Appi) visando a detectar as práticas cotidianas (atividades e relações sociais) que fortalecem o seu uso como espaço público, bem como práticas e conflitos que enfraquecem o uso desse espaço. Para tanto, procura observar os comportamentos, atitudes e falas dos distintos usuários do Módulo da Praia de Camburi (MPC) pertencente ao programa Appi. Para alcançar os objetivos do estudo, seguiram-se as seguintes etapas: 1) levantamento bibliográfico da literatura relacionado com a produção sobre as Academias da Terceira Idade; 2) revisão de literatura; 3) ida a campo; 4) entrevista semi-estruturada com os usuários do programa; 5) análise dos dados. Os dados permitiram identificar um conjunto de elementos que atraem os usuários para o MPC. Os resultados reforçam que o MPC é constituído por um público bastante heterogêneo. Foram evidenciados conflitos, especificamente associados às diferentes apropriações que os usuários fazem daquele espaço. Os principais resultados obtidos indicam que as variáveis estrutura e localização, (por meio de elementos como reputação do lugar e falta de manutenção), artigos tecnológicos (elementos como uso de materiais esportivos e observação da paisagem), sociabilidade (elementos como o movimento de pessoas e relações desenvolvidas a partir do espaço), relações de pertencimento (elementos como preocupação com a manutenção do MPC e o MPC como apenas mais um lugar para onde ir) e autonomia (elementos como falta de consenso com relação ao suporte de um professor de Educação Física e realização pessoal por participarem das decisões relativas ao desenvolvimento de suas atividades no MPC), influenciam os usos e apropriações do MPC. Esta pesquisa demonstra a dificuldade que enfrentam os pesquisadores que tentam descrever e interpretar uma realidade tão diversa como a apresentada na Appi e como tal se apresenta com importância para o entendimento de que a constituição do espaço público (física e simbolicamente) influencia diretamente os usos e apropriações dos usuários. Apesar das dificuldades apresentadas, a investigação pode auxiliar no entendimento do significado que esse tipo de programa tem para o usuário.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910