PROFESSOR/A PESQUISADOR/A: AS (IM)POSSIBILIDADES DA PESQUISA-AÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR DO/A PROFESSOR/A DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Nome: Alda Maria Brandão
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 27/09/2011
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Valter Bracht Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Carlos Eduardo Ferraço Examinador Externo
Fernando Jaime González Examinador Externo
Valter Bracht Orientador

Resumo: Com base no estudo realizado com três professoras de Educação Física do primeiro ciclo do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação de Vila Velha, a presente dissertação procurou compreender como uma experiência de formação de professores/as, fundamentada na pesquisa-ação, pode contribuir na formação de professor/a como pesquisador/a de sua prática pedagógica. Teve como objetivos identificar em que medida uma experiência com pesquisa-ação pode contribuir para que professores incorporem a pesquisa na sua prática pedagógica e, também, identificar em que medida isso é possível, considerando as condições concretas dos cotidianos escolares. A produção dos dados se deu a partir dos memoriais e relatos elaborados pelas professoras, diário de campo, observação participante, entrevistas, diálogos audiogravados e transcritos, cópia de e-mails das professoras, relatórios das reuniões e fotos. Ao pensar a formação de professores/as pesquisadores/as, é preciso também levar em consideração as políticas praticadas para essa formação, os diferentes contextos materiais, formativos e o desejo do professor em pôr em questão sua prática pedagógica. Os encontros de estudo da rede de formação Sobre-vivências e a metodologia da pesquisa-ação se constituíram em um encontro social de busca para pensar uma prática pedagógica investigativa, na qual foram vividos sentimentos de angústia, acolhimento, discussões e problematizações diante dos problemas e dificuldades que (des)potencializam a ação docente no cotidiano. A pesquisa-ação pode indicar a produção de uma novíssima retórica para a formação, em que os/as professores/as se tornem sujeitos e possam criar eles mesmos argumentos que os impulsionem a se constituírem pesquisadores de suas práticas. Além de se verem e se assumirem como sujeitos, podem, também,
reconhecer o outro como produtor de conhecimentos. Dessa forma, o conhecimento passa a ser visto como uma produção que se dá pela via da solidariedade, sendo esta entendida como conhecimento-reconhecimento.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910