História da Educação Física

Código: PGEF-16
Curso: Mestrado em Educação Física
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: História e historiografia da educação física brasileira: questões de teoria e metodologia. A Educação Física como cultura escolar no campo educacional. As instituições, os intelectuais e os impressos em educação física e esporte. Os saberes constituidores de pedagogias para a educação física no Brasil: produção, circulação e apropriação dessa área na sociedade brasileira.
Bibliografia: CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Coimbra: Quarteto Editora, 2001. p. 13-35.

CASTELLANI FILHO, Lino. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus, 1988.

BLIKSTEIN, Izidoro.Semiótica: uma ciência de detetives, Revista Usp, São Paulo, p. 161-166, dez./fev. 1992-1993.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001. (Ler Capítulo 1 – A história, os homens e o tempo, p. 51-68; Capítulo 2 – A observação histórica, p. 69-87; Capítulo 4 – A análise histórica, p. 125-153).

CERTEAU, Michel de. A operação histórica. In: LE GOFF, Jacques; NORA Pierre (Org.). História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. p. 17- 48.

CERTEAU, Michel de. Fazer História. CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. p. 31-64.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. p. 65-119.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados: Instituto de Estudos Avançados - USP, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173-191, abr. 1991.

CHARTIER, Roger. História cultural e história das mentalidades: uma dupla reavaliação. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990. p. 29-67.

FERREIRA NETO, Amarílio. A pedagogia do exército na escola: a Educação Física brasileira (1880-1950). Aracruz – ES: FACHA, 1999.

GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. Educação física progressista: a pedagogia crítico-social dos conteúdos e a Educação Física brasileira. São Paulo: Loyola, 1988.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 143-179.

GINZBURG, Carlo. Provas e possibilidades à margem de “Il ritorno de Martin Guerre” de Natalie Zemon Davis. GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: DIFEL. 1991. p. 179-202.

LE GOFF, Jacques. Memória. LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.p. 419-476.

LINHALES, Meyly Assbú. A produção de uma forma escolar para o esporte: os projetos culturais da Associação Brasileira de Educação (1926-1935) como indícios para a historiografia da Educação Física. In: OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de. (Org.). Educação do corpo na escola brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006. p. 93-110.

MARINHO, lnezil Penna. História da educação física no Brasil. São Paulo: Cia. Brasil Editora, [19...].

OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de. Para uma crítica da historiografia. Ditadura militar, educação física e negação da experiência do professor. In: Pesquisa histórica na educação física. v. 6. Vitória: PROTEORIA, 2001. p. 5-48.

SCHNEIDER, Omar. Educação physica: a arqueologia de um impresso. Vitória: Edufes, 2010.

SOARES, Carmen. Educação física: raízes européias e Brasil. Campinas: Autores Associados. 2001. (Capítulo I – As bases políticas, econômicas e sociais da Educação Física, p. 5-32; Capítulo II – Em nome da saúde do corpo social, p. 33-68; Capítulo III – A Educação Física no Brasil: saúde, higiene, raça e moral, p. 69-133.

SOARES, Carmen. Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa no século XIX. Campinas: Autores Associados, 2002. (Capítulo II – Educação no corpo: a rua, a festa, o circo, a ginástica, p. 18-31; Capítulo III – O corpo moldado: limpeza e a utilidade, p. 33-79; Capítulo IV – O corpo adestrado: o individuo, disciplinador de sim mesmo, p. 81-138.

VAGO, Tarcísio Mauro. Cultura escolar, cultivo de corpos: educação physica e gymnastica como práticas constitutivas dos corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte (1906-1920). In: FERREIRA NETO, Amarílio. Pesquisa histórica na educação física. V. 5. Aracruz, ES: FACHA, 2000.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história, Foucault revoluciona a história. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1998. (Ler o Capítulo 2 – Tudo é histórico, logo, a história não existe, p. 25-39; Capítulo 3 – Nem fatos, nem geometral, mas tramas, p. 41-50; Capítulo 5 – Uma atividade intelectual, p. 67-78).

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910